Do título

Do título

"Retórica dos namorados, dá-me uma comparação exata e poética para dizer o que foram aqueles olhos de Capitu. Não me acode imagem capaz de dizer, sem quebra da dignidade do estilo, o que eles foram e me fizeram. Olhos de ressaca? Vá, de ressaca. É o que me dá idéia daquela feição nova. Traziam não sei que fluido misterioso e enérgico, uma força que arrastava para dentro, como a vaga que se retira da praia, nos dias de ressaca."
( Dom Casmurro, Machado de Assis, cap. 32 )

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Ando só (sem saber até quando)

Faz quase dez anos que eu passei a "andar" só. Sim, andar, e não "ser". Quando me separei, em 2003, e fui morar sozinha, em 2004, tinha um CD com uma música que dizia: "eu preciso aprender a ser só", e eu pensava: eu nunca vou aprender a ser só. Acho que o problema estava justamente nesse "ser" (to be or not to be, that's the question; hahahaha, essa foi boa, vai).

Uma das grandes dificuldades foi deixar de tomar chimarrão, que sempre foi um hábito diário (um vício, melhor dizendo) desde criança; mas, claro, eu achava que era impossível tomar chimarrão sozinha. O vício venceu, comecei a matear solita, embora não me agradasse. Hoje, essa é a minha hora preferida do dia, tanto me acostumei que frequentemente estou tomando chimarrão com outra pessoa e esqueço de oferecer a cuia. Agora percebo que gosto de matear solita. Gosto de compartilhar com outras pessoas também, mas adoro meu mate solito, aquele momento em que paro com tudo por alguns instantes, para os fumantes deve ser como o cigarro. Quando passei a gostar de tomar meu chimarrão sozinha, percebi que já não achava estar só algo tão terrível.

Claro que prefiro não estar sozinha, gostaria de estar com alguém, mas agora já sei que solidão machuca sim, mas não mata, e é importante aprender a estar só para conseguir manter um relacionamento. Pelo menos um relacionamento que seja bom. Tenho visto e ouvido de várias pessoas ultimamente: "Ah, eu não consigo ficar sozinha, não adianta". Uma amiga me disse que ouviu de uma pessoa no trabalho: "Não tenho tipo, tenho pressa!" Como assim? Então serve qualquer um, desde que não se esteja sozinha? Acho inclusive que só quem consegue estar só e não fazer com que sua felicidade dependa do outro, consegue ter uma relação legal. Dentro do próprio relacionamento precisamos de momentos só nossos.

Sim, eu continuo não querendo "ser" só, mas hoje não vejo mal algum em "estar" só ou "andar só", como nessa música que coloquei abaixo, que é a que melhor me define. Quero estar com alguém com quem possa conversar, rir, trocar experiências, enfim, ter bons momentos. Não quero alguém só porque já tenho 36 anos e a sociedade me cobra. Quero alguém que me faça feliz e que me permita ser quem eu sou. Recentemente ouvi de uma amiga casada: "Eu perdi minha identidade". Não quero isso pra mim. Por isso não me importo de dizer que enquanto essa pessoa não chega se é que vai chegar eu aprendi a "andar só".

Discurso de campanha

 Nosso partido cumpre o que promete.
 Só os tolos podem crer que
 não lutaremos contra a corrupção.
 Porque, se há algo certo para nós, é que
 a honestidade é fundamental
 para alcançar nossos ideais.
 Mostraremos que é estupidez crer que
 as quadrilhas seguirão no governo, como sempre
 Asseguramos sem dúvida que
 a justiça social será o alvo de nossa ação.
 Apesar disso, há idiotas que imaginam que
 se possa governar com a velha política.
 Quando assumirmos, faremos tudo para que
 se termine com os marajás e as negociatas.
 Não permitiremos de nenhum modo que
 nossas crianças morram de fome.
 Cumpriremos nossos propósitos mesmo que
 os recursos econômicos do país se esgotem.
 Exerceremos o poder até que
 Compreendam que
 Somos a nova política.
 
 
 Depois da Posse:
 Basta ler o texto de baixo para cima, linha por linha.
 
Texto publicado na edição Jornal ZH - 01/08/2005.