Do título

Do título

"Retórica dos namorados, dá-me uma comparação exata e poética para dizer o que foram aqueles olhos de Capitu. Não me acode imagem capaz de dizer, sem quebra da dignidade do estilo, o que eles foram e me fizeram. Olhos de ressaca? Vá, de ressaca. É o que me dá idéia daquela feição nova. Traziam não sei que fluido misterioso e enérgico, uma força que arrastava para dentro, como a vaga que se retira da praia, nos dias de ressaca."
( Dom Casmurro, Machado de Assis, cap. 32 )

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Pirlimpimpim


O primeiro de muitos!

Lá nos anos 80, mais precisamente em 83, eu aprendi a ler. E eis que a partir daí eu descobri um mundo novo. Lógico, o mundo da literatura. Passei a ler tudo que via pela frente, na rua, na chuva, na fazenda e numa casinha de sapé. E na biblioteca da minha escola. E foi lá que eu descobri vários tesouros, que foram lidos e relidos à exaustão, mas, sem dúvida, o que me fez ser uma apaixonada e compulsiva por leitura foi a coleção do Monteiro Lobato, aquela que deu origem ao programa Sítio do Pica-Pau Amarelo, que não me agradava justamente por não mostrar o sítio que eu imaginava quando lia, aquele não era o sítio, ora, na minha cabeça ele era totalmente diferente, assim como as personagens.
Eu aprendi história, mitologia, geografia, gramática e mil coisas mais lendo esses livros. Viajei à Grécia antiga mil vezes com o pó de pirlimpimpim, ajudei o Héracles (que ainda não era Hércules) a resolver doze trabalhos, entrei no labirinto do Minotauro, visitei o verbo Ser, enfim, li toda coleção mais de uma vez e sempre quis tê-la só para mim.
E eis que, passeando pelos sebos em um dia ensolarado e frio de junho, na companhia da Carrie, eu vejo toda a coleção lá, numa prateleira, em perfeito estado, esperando por mim. E hoje ela mora aqui, na minha estante, e eu aguardo ter tempo de voltar a aspirar o pó de pirlimpimpim e visitar o sítio e a Grécia novamente, fazendo escala no sofá e ao lado do fogão de lenha da minha casa de infância, onde eu devorava todas aquelas histórias.
Tem como não ser apaixonada por sebos?


O baile todo!