Do título

Do título

"Retórica dos namorados, dá-me uma comparação exata e poética para dizer o que foram aqueles olhos de Capitu. Não me acode imagem capaz de dizer, sem quebra da dignidade do estilo, o que eles foram e me fizeram. Olhos de ressaca? Vá, de ressaca. É o que me dá idéia daquela feição nova. Traziam não sei que fluido misterioso e enérgico, uma força que arrastava para dentro, como a vaga que se retira da praia, nos dias de ressaca."
( Dom Casmurro, Machado de Assis, cap. 32 )

terça-feira, 7 de outubro de 2008

DOR, em maíusculo...

Post inspirado na série "Sonhei que a Neve Fervia" de Fal Azevedo, uma de minhas maiores referências literárias ( e de vida), além de ser meu perfume de maçã verde.
( Em negrito: Pedaço de Mim, Chico Buarque )

“Toda a tristeza dos rios é não poderem parar.” Mário Quintana

Oh, pedaço de mim.
Oh, metade afastada de mim.

Eu nunca vou esquecer aquele dia. O dia em que eu soube que você ia chegar. Eu ainda posso sentir toda aquela ansiedade, o medo de fazer o exame, como o tempo passou devagar enquanto eu esperava o resultado, o medo de abrir o envelope e, finalmente, o positivo, aquele papel dizia que você estava ali. Eu nunca havia me sentido tão feliz.

Leva o teu olhar
Que a saudade é o pior tormento
É pior do que o esquecimento
É pior do que se entrevar
.


A minha vida mudou totalmente naquele momento. Eu só pensava em você, em como você seria, quando ia poder te ver, como seria o seu rosto. Eu conversava com você antes de dormir. Eu contava pra todo mundo, queria que todos soubessem que você viria. Daquele momento em diante eu tomava cuidado ao subir e descer escadas, ao caminhar, ao atravessar a rua, eu me protegia de tudo porque eu queria proteger você.

Oh, pedaço de mim.
Oh, metade exilada de mim.

Eu e a sua “tchiaFal chamávamos você de Rodolfo Henrique e ríamos, ela também estava tão feliz... Todos estavam. Você foi tão querido, tão desejado, tão amado.As manhãs passaram a ser diferentes também. Você era o meu primeiro pensamento ao acordar e último ao dormir. Você ainda é.

Leva os teus sinais
Que a saudade dói como um barco
Que aos poucos descreve um arco
E evita atracar no cais

Aquela manhã foi diferente das outras, eu soube, me disseram que não estavam ouvindo o seu coração e que isso podia ser porque você ainda era muito pequeno, mas eu soube, eu soube que você havia ido embora. Foi um dia inteiro de angústia até isso ser confirmado. Até me dizerem que eu havia perdido você.

Oh, pedaço de mim.
Oh, metade arrancada de mim.

O dia seguinte foi interminável. A dor. A dor em estado sólido, uma dor que era quase tangível na manhã de um sábado gelado e ensolarado. Aquele sol que entrava pela janela e machucava, o vento frio, e eu só pensava em como poderia ter sol, como aquele dia podia ser tão bonito se você não estava mais ali, como o sol poderia doer tanto. Desde aquele dia, sempre que eu vejo o sol eu tenho essa sensação.

Leva o vulto teu.
Que a saudade é o revés de um parto.
A saudade é arrumar o quarto.
Do filho que já morreu.

O choro das crianças no hospital. Dor. A espera, exames, a solidão. Dor, dor, dor. A anestesia e a vontade de não precisar voltar. O abandono, o descaso, o medo, a perda. A sensação de ter sido mutilada, da vida ter sido tirada de dentro de mim. DOR.

Oh, pedaço de mim.
Oh, metade amputada de mim.

Eu nunca vou ver o seu rosto. Nunca vou poder pegar você no colo, nem te contar de como eu fui feliz de ter você comigo. Nunca vou ler pra você, nunca vou pegar na sua mão, nem brincar com você. Você nunca vai fazer desenhos pra mim.Não vou poder ficar sem palavras com as suas perguntas sem resposta. Não vou poder dizer o quanto te amei e ainda amo.

Leva o que há de ti
Que a saudade dói latejada
É assim como uma fisgada
No membro que já perdi

Eu sou cética, não acredito em outras vidas, em anjos, em seres superiores, todas essas coisas em que as pessoas buscam se consolar. Talvez fosse mais fácil se eu acreditasse. Se eu pudesse acreditar que você pode me ouvir, que há um motivo, que há uma explicação. Talvez. Mas eu nunca vou saber.

Oh, pedaço de mim.
Oh, metade adorada de mim.

A única certeza que eu tenho é de que nunca mais vou ser a mesma. De que ninguém nunca vai poder substituir você. E da dor. A dor que eu sinto quando vejo uma criança, quando falo com as pessoas, quando ouço uma música, quando sou obrigada a sorrir, quando eu respiro.

Lava os olhos meus
Que a saudade é o pior castigo
E eu não quero levar comigo
A mortalha do amor
Adeus

Eu continuo aqui, eu vou em frente porque não tenho outro lugar pra ir, porque não tenho opção. Não sei se um dia vou conseguir te dizer adeus. Você pode ter ido embora, mas você continua aqui, no meu coração você vai estar pra sempre.

Imperdível


Você já foi ao Rio? Não? Então vá!! Mas vá quinta-feira e a beije e abrace bem muito por mim.
Se você ainda não se apaixonou pela Fal é só porque ainda não conhece. Mas isso é uma questão de tempo. Pouco. Sucesso, Fal. Você merece muito, muito, muito.